Os Judeus na História de Portugal


Manuel Viegas Guerreiro e o estudo

«Os Judeus na História de Portugal»

Por JOSÉ ALBERTO RODRIGUES DA SILVA TAVIM

 

 

Lisboa: E.N.P., 1965, Separata do Dicionário História de Portugal, 8 p.
«Os Judeus na História de Portugal», de Manuel Viegas Guerreiro AQUI:
http://www.fundacao-mvg.pt/uploads/page/Binder15.pdf

 

José Alberto Rodrigues da Silva Tavim

Centro de História; Chair: Seminário Os Judeus em Portugal e na Diáspora

 

Convidou-me amavelmente a Fundação Manuel Viegas Guerreiro, no intuito de divulgar a produção científica do autor, para comentar a separata Os Judeus na História de Portugal, que corresponde ao artigo que lhe foi incumbido sobre “Judeus”, publicado no volume III do famoso Dicionário de História de Portugal, dirigido por Joel Serrão [1].

A leitura atenta desta síntese revela antes de mais um conhecimento bastante actualizado, para a época, das investigações realizadas sobre o tema. Estão patentes na bibliografia J. Lúcio de Azevedo, e a sua História dos Cristãos-Novos Portugueses [2], e os espanhóis Julio Caro Baroja, com os seus três tomos acerca de Los Judíos en la España Moderna y Contemporânea [3], e José Amador de los Rios, com a sua Historia Social, Politica y Religiosa de los Judios de España y Portugal [4], ambos com vastas referências aos judeus e cristãos-novos de Portugal. Não falta também o recurso às fontes publicadas, como as da Monumenta Historica, as Ordenações Régias, os cronistas portugueses e o texto famoso de Samuel Usque, Consolação às Tribulações de Israel. Também recorre aos grandes clássicos da Historiografia Portuguesa, como Alexandre Herculano e a sua História da Inquisição [5], ou à obra matricial do professor Joaquim Mendes dos Remédios, Os judeus em Portugal [6]. O seu intuito de obter informação actual leva-o à leitura da dissertação de Licenciatura em História de Aida das Neves Faria, Análise Sócio-Económica das Comunidades Judaicas Portuguesas (1439-1496), de 1963. O seu interesse pelas fontes materiais como documentos produzidos pelas comunidades judaicas leva-o ao conhecimento do entusiasta Samuel Schwarz, nas suas Inscrições Hebraicas em Portugal [7]. O etnólogo e antropólogo seduz-se pelas recolhas do Abade de Baçal, padre Francisco Manuel Alves, que nas suas Memórias Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança consagra um volume aos Judeus [8]. Mas como seria lógico, encimando toda a bibliografia de referência, vem a obra do mestre José Leite de Vasconcelos, Etnografia Portuguesa, editada em Lisboa.

Foi sem dúvida o trabalho de edição desta obra do seu mestre que o levou, no volume IV, onde existe um vasto estudo sobre os judeus em Portugal, a aprofundar o conhecimento sobre esta matéria, espelhado já no artigo sobre o qual aqui nos pronunciamos. Orlando Ribeiro na “Notícia Introdutória” de 1956, ao volume IV da Etnografia, menciona que há cerca de dois anos que Manuel Viegas Guerreiro trabalhava como bolseiro no Centro de Estudos Geográficos, com o objectivo de editar a obra de Vasconcelos [9]. Na verdade, no enorme capítulo 1, da Parte II do referido volume, designado “Grupos étnicos” – verificamos o profissionalismo de Manuel Viegas Guerreiro para colectar dados que ao mesmo tempo suportam, contextualizam e actualizam os dados recolhidos por Vasconcelos [10].

Se compararmos o mencionado trabalho de Viegas no volume IV da Etnografia com o artigo publicado no Dicionário de História de Portugal (e também em separata) verificamos que o autor, face à necessidade de economizar a informação, decidiu quase limitar-se à cronologia histórica que vai desde os primeiros vestígios hebraicos no território português até às consequências do estabelecimento da Inquisição no reino, com uma menção muito sumária à entrada de judeus em Portugal no século XX, enveredando assim por uma das sínteses mais brilhantes que se escreveram sobre o assunto, tal é a sua actualidade. O facto de eleger estas balizas históricas deve-se provavelmente ao facto de compreender que havia necessidade dessa visão de síntese, depois dos estudos exaustivos e detalhados dos autores em que se baseia, e da sua leitura de fontes impressas. Isso significa que toda a informação habilmente reunida sobre os tempos modernos - sobretudo a produção de Samuel Schwarz e do Abade de Baçal e outros - foi preterida no Dicionário de História de Portugal, talvez porque tinha consciência das “novidades” dificilmente sintetizáveis desses autores, ou de ser uma informação menos compatível com um Dicionário de História de Portugal.

O seu estudo começa com a referência às lápides de Espiche, como primeiro vestígio - material - da presença judaica no território que será português; continua com uma análise da presença judaica durante a primeira dinastia, elucidando sobre matérias importantes de teor administrativo e institucional, como a constituição de uma comuna, os cargos governativos dentro desta, a carga tributária a que os judeus estavam sujeitos em troca da protecção régia; dos motivos da sua dedicação a actividades em que se privilegiava a propriedade imobiliária, e das consequências xenófobas do exercício de algumas actividades como a usura e o arrendamento da cobrança dos impostos devidos a reis, nobres, e até à Igreja. Muito interessante é o facto de tomar consciência de fenómenos de aculturação e de clivagem social dentro das comunas, assim como do discurso antijudaico perpetrado em crescendo pela Igreja, que levou à imposição do uso de um sinal distintivo. Informa igualmente sobre irrupções sociais contra os judeus, em que se destaca o ataque à Judiaria Grande de Lisboa, em 1449. Depois da conjuntura das expulsões peninsulares e o fenómeno do baptismo forçado, em finais do século XV, que deram origem a um extenso grupo de cristãos-novos, menciona também a vinda de judeus de Marrocos e Gibraltar, na primeira década do século XX. O autor termina o artigo com uma reflexão filosófica sobre a crispação entre cristãos e judeus na Idade Média, devido a móbeis de teor sócio-económico, ideológico e religioso, atestando, contudo, que em Portugal eles “viveram com relativa tranquilidade”.

A grande inovação em relação ao conhecimento dos judeus na Idade Média em Portugal dá-se com a publicação, mais tarde, dos trabalhos metódicos de investigação documental e revisão bibliográfica a cargo da professora Maria José Pimenta Ferro Tavares, sobretudo das suas obras Os judeus em Portugal no século XIV (1979) [11]; e Os judeus em Portugal no século XV (1982-1984) [12]. Mas tal não retira, como já mencionámos, o grande valor à síntese de Manuel Viegas Guerreiro.


[1] Cito a edição do Porto, Livraria Figueirinhas, 1981, onde o artigo se espraia entre as pp. 409 e 414.
[2] Lisboa, Livraria Clássica Editora, 1922.
[3] Madrid, Arión, 1962.
[4] Madrid, Imprenta de Fontanet, 1876.
[5] De facto, o título da obra é História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional, 1854-1859.
[6] Coimbra, F. França Amado, Coimbra Editora, 1895-1928.
[7] Separata de Arqueologia e História, 1923.
[8] Os Judeus no Distrito de Bragança: Memórias arqueológico-históricas do Distrito de Bragança, Bragança: Tip. Geraldo da Assunção, 1925.
[9] Orlando Ribeiro, “Notícia Introdutória”, in J. Leite de Vasconcelos, Etnografia Portuguesa. Tentame de Sistematização, vol. IV, elaborado segundo os materiais do autor, ampliados com nova informação por M. Viegas Guerreiro, notícia introdutória, notas e conclusão por Orlando Ribeiro, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982, pp. XXII-XXIII.
[10] Vide Capítulo 1 – Judeus – in Parte II, Grupos Étnicos, in J. Leite de Vasconcelos, Etnografia Portuguesa. Tentame de Sistematização, vol. IV, elaborado segundo os materiais do autor, ampliados com nova informação por M. Viegas Guerreiro, notícia introdutória, notas e conclusão por Orlando Ribeiro, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982, pp. 63-253.
[11] Lisboa, Guimarães Editora.
[12] Lisboa, UNL, FCSH-INIC, 2 volumes.

 

JOSÉ ALBERTO RODRIGUES DA SILVA TAVIM é doutor em Estudos Portugueses pela Universidade Nova de Lisboa, investigador sénior no Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, professor na mesma faculdade e membro colaborador do Centro de Investigação CIDEHUS, na Universidade de Évora. É também “Chair” do Seminário “Os Judeus em Portugal e na Diáspora”, na Universidade de Lisboa.
É autor de três livros, editou seis volumes e publicou mais de 60 artigos e capítulos sobre os judeus em Portugal e na Diáspora, em português, castelhano, francês, inglês, italiano, hebraico, turco e árabe, participando igualmente na The Encyclopaedia of the Jews in Islam, publicada pela editora Brill, a convite do professor Daniel Schroeter. Pertence também à Comissão Executiva da Society Sefarad (ver www.sefarad-studies.org/) e presidiu ao projeto “Portuguese Jewish Mediaeval Sources” (Évora, 2015-2017) (http://www.pjsmt.cidehus.uevora.pt/). Juntamente com a professora Maria Filomena Lopes de Barros é editor de Hamsa: Journal of Judaic and Islamic Studies (http://www.hamsa.cidehus.uevora.pt/index_pt.htm). Recentemente editou As Diásporas dos judeus e cristãos-novos de origem ibérica entre o Mar Mediterrâneo e o Oceano Atlântico. Estudos. Lisboa, Centro de História da Universidade de Lisboa, 2020.